quarta-feira, 3 de novembro de 2010

O exercício de (tentar) ser feliz sem compras.



Ana veste:
Vestido Chow - 59,90
Oxford Topshop Londres - 10 libras
Cinto O Artífice (oartifice.couros@gmail.com) - 20,00
Colar Bruna Pericolo
Bolsa herança da vó

-------------------------------------
Hoje o post é looongo, mas acho que pode ser de interesse comum a todos. ;)


"Olá Ana!

Resolvi escrever este email porque, embora sempre acompanhe o blog da Cris Guerra, não conhecia o seu. Dia desses acabei caindo no seu blog quase sem querer, e gostei bastante de sua proposta - tanto que estou fazendo uma leitura inclusive de seus posts mais antigos.

Interessou-me, principalmente, a fase em que você fez uma greve de compras. Este assunto tem mexido bastante comigo, sabe? Sempre fui uma pessoa extremamente consumista, e que vive numa enorme contradição entre preocupar-se com as coisas do mundo (principalmente com pessoas que mal tem como sobreviver), mas gastar o que não tem em coisas desnecessárias.

Na verdade, acho que tenho mesmo as compras como mania. Embora dificilmente me arrependa de algo que compre e use minhas coisinhas com satisfação (na medida do possível, pois sou uma só rsrs), tenho dificuldade tremenda em resistir ao que vejo - e, diferentemente de você, acabo achando que um vestido de 500 reais, parcelado em 6 vezes, é algo super viável. Triste engano, né?

Mazelas à parte, estou num exercício desesperado de aprender a ver e não comprar, para tentar me reestruturar (pois, dentre outros aspectos, deixo de priorizar coisas bacanas, como a viagem dos sonhos, além de viver no sufoco) e conseguir mudar minha postura. Sua greve foi algo que achei super louvável, e que tento fazer com frequência - consigo por alguns dias, depois não aguento e parece que compenso tudo o que deixei de comprar rsrs.

Por isso, pergunto à você: depois deste período em greve, como você fez para voltar às compras de forma tranquila, sem exageros? Não sei se você era super impulsiva, mas, de todo modo, fiquei curiosa a respeito.

Um grande abraço e parabéns pelo trabalho."


Uma leitora mandou esse email semana passada e perguntei a ela se poderia responder no blog. Achei a questão pertinente e esse assunto pode interessar a muitas meninas que estão na mesma situação.

No ano passado eu comecei o recessionismo fashion e, para minha surpresa, vários outros blogs de moda seguiram o exemplo. Com um guarda-roupa cheio de roupas bacanas e outras peças duvidosas, comecei a questionar algumas escolhas e gastos. E para você chegar a uma resposta não adianta continuar na saga das compras.
Eu nunca fui compradora compulsiva e um dos motivos é que já enfrentei dificuldades financeiras. E acho que passar aperto no passado é bom pra refletir suas reais necessidades, seus gastos e até aprender a esticar mais a grana. Daí que comecei a comprar nas outlets, nos OFFs e nas liquidações.

Ganhando mais no trabalho, comecei a adquirir um hábito: toda vez que saía eu comprava algo, nem que fosse uma blusinha de 10 reais. E é aí que mora o perigo: de tostão em tostão gasta-se uma fortuna, o armário fica abarrotado de blusinhas e nenhuma peça realmente interessante, com informação de moda. E nem sempre de boa qualidade.

Percebi que não adianta comprar quantidade só porque está baratinho, as roupas não durarem um mês ou não saírem do armário (e isso tanto pra marca cara e marca baratinha, ok?). Vale à pena sim, em determinados momentos, investir um pouco mais em um vestido mais bacanudo para fazer bonito quando se precisa.

Investir passou a ser mais pronunciado
que gastar no meu vocabulário. Investimentos normalmente são planejados.

Claro que a satisfação de comprar roupa e ficar mais bonita é indescritível. Mas outras metas na minha vida foram ficando fortes: viajar, juntar dinheiro pra comprar uma casa, pra mobiliar meu apartamento, juntar uns troquinhos pra ter uma reserva no futuro. E aqui, parceiro, (bem Capitão Nascimento esse jargão, né? hahaha) ou junto dinheiro pra viajar ou gasto com roupas. Os dois, infelizmente, não dá!

Por isso comecei a adotar os seguintes métodos para me ajudar nessa empreitada:
  • Não escolho o shopping para passear, pois posso cair em tentação.
  • Quando vou ao shopping estabeleço uma meta e depois vou embora, não fico passeando aleatoriamente.
  • Arrumo meu guarda-roupa periodicamente para saber o que eu já tenho.
  • Enfiei na cabeça que já tenho muitos vestidos, não preciso do quinquagésimo.
  • Estipulo um valor máximo para os gastos.
  • Não penso que perdi a oportunidade de comprar na liqui de tal loja, tento não ficar me martirizando porque todo mundo comprou menos eu.
  • Testo sempre novas combinações com as minhas roupas.
  • Mentalizo as viagens incríveis que posso fazer ou um novo curso para me aperfeiçoar.
  • Não ando com cartão de crédito.
  • E, principalmente, sou feliz com o que possuo.
Veja bem, não é deixar de comprar. Mas aprender a comprar, para não se sentir frustrada ou infeliz. E ter consciência que gastos planejados tem mais chance de nos deixar realizadas com as escolhas que fizemos. ;)

50 comentários:

vivimim disse...

maravilhoso conselho. eu sou uma gastadeira de blusinha e compradora de internet. to tentanto realinhar minha postura de consumo, é fundamental priorizar coisas na vida. parabéns pelo blog, adoro!

Amitié disse...

Olá...

Poxa, este post me pegou exatamente passando por este periodo de abstinencia!!! kkkkkkkkk Queria colocar mais uma dica aqui: Meta. Realmente meta é tudo na vida. E agora eu passeio em shoppings e tudo mais, porém reduzi o limite do meu cartão de credito (para o caso de cair em tentação) e penso pelo menos 5 vezes antes de comprar algo. Me pergunto: Eu preciso? Com que roupa / acessório / sapato q eu tenho isso combinaria? Tenho coisas semelhantes? Vale realmente a pena? (Se for o caso) Mesmo barato, não vai ficar no fundo do armario? Tem muitas coisas que achamos lindas, porém nem tudo convém, ou vai ficar bom, ou estou precisando. Entao reflito, penso na minha meta (São 3: Apartamento, Carro e Viagem pra Europa) e penso q quanto menos gastar, mais facil chegarei ao meu objetivo!!!! Força menina! Estamos todas torcendo (e lutando) com você!!!!

Mariane disse...

Amei seu look (pra variar né?)! Super lindo! A bolsa é muito fofa!
Achei o texto muito legal e interessante!!
Beijos, Mari.

dicasparatodas.blogspot.com/

Rosanne Echebarrena disse...

Post perfeito,Ana, adorei..Tem uns meses em que resolvi cair na real...Hoje, ao invés de ler blogs com aqueles famosos "must have", que me deixavam louca enquanto eu não saía para comprar o que eu "tinha que ter", leio coisas mais importantes, que me acrescentem algo mais..E tb tenho metas..Seu post só veio me dar mais força..Beijocas!

Vanessa disse...

Oi Ana!!! Muito bacana seu post! Com certeza vai ajudar muitas meninas... comprar é uma tentação não é mesmo??? Tantas coisas bonitas por aí... ai, ai... bom, eu também estabeleço algumas metas para poder me controlar... e assim, consigo ir ao shopping numa boa... adoro ver vitrines, experimentar roupas, mesmo sem comprar...às vezes fico horas no shopping e saio de lá sem nenhuma sacolinha! O que faço, e acho válido, é sempre que compro uma nova roupa ou sapato, separo uma peça que já não é tão usada para dar para alguém.

Parabéns pelo blog maravilhoso!

Beijos!

Vanessa disse...

Oi Ana!!! Muito bacana seu post! Com certeza vai ajudar muitas meninas... comprar é uma tentação não é mesmo??? Tantas coisas bonitas por aí... ai, ai... bom, eu também estabeleço algumas metas para poder me controlar... e assim, consigo ir ao shopping numa boa... adoro ver vitrines, experimentar roupas, mesmo sem comprar...às vezes fico horas no shopping e saio de lá sem nenhuma sacolinha! O que faço, e acho válido, é sempre que compro uma nova roupa ou sapato, separo uma peça que já não é tão usada para dar para alguém.

Parabéns pelo blog maravilhoso!

Beijos!

Priska Araújo disse...

Já estava pensando a respeito desse assunto Ana, tenho várias roupas que comprei e ainda não usei e várias outras que usei apenas uma vez, definitivamente não preciso de mais nada no meu guarda roupas, o dificil é ficar sem comprar nada. Vou tentar seguir suas dicas. Obrigada.
Beijos!

Dani Oliveira disse...

Acho que vou colar no guarda-roupa e na carteira. Adorei tudo, o email e o seu comentário.

Parabéns!

Beijocas.

Dani Oliveira
@eunaosoumodelo

Mariana Castela disse...

de tudo isso, provavelmente o mais difícil a se seguir (e na minha opinião o principal!) é sair de casa sem o cartão de crédito !
o meu é igual toddynho, muuuuito companheiro de aventuras !

VERÔNICA disse...

Adoooro vestidinhos e este é um item que eu preciso comprar mais ...rsrrsrs sério, 90% do meu guarda-roupa é de jeans e blusinhas.

Quanto ao "overspending" eu lí uma matéria muito legal no bol que fala sobre este vício de consumo, quem quiser saber mais é só acessar o link abaixo

http://noticias.bol.uol.com.br/entretenimento/2010/09/16/gastar-mais-do-que-devia-pode-ser-sinal-de-overspending.jhtm

Lá, eles indicam uns sites muito legais sobre o assunto:
http://devedoresanonimos-sp.com.br
http://hojeeunaocomprei.com.br

bjs

brechoparaquemechic@bol.com.br

Thais disse...

Adorei, Ana!

Você tá certa, esse é o espírito da coisa mesmo. Vou me inspirar nas suas dicas daqui pra frente.

Beijo!

lucilenepoliveira disse...

Ana

super dicas.. hein.. Eu já adoto a de deixar o cartão em casa e quando compro penso bem.
o vestido de hoje é lindo. e vc esta de parabéns pelos conselhos.
bjus

C@ntinho da Didi disse...

é isso aí, looks lindos, criativos e com o que tem no armário, eu tô assim tb, misturando tudo o que tenho e tendo pena do meu bolso.rsrsrs

patty disse...

Ana concordo com você em todos os sentidos comprar é muito bom mais ter limites e melhor ainda,preciso parar de comprar ja e vou levar essas dicas na cabeça tenho fé que vou conseguir bjs patty

Carla Pinheiro disse...

Oiê...

Ah! Já fiz até promessa pra não comprar, mas é difícil. Tento gastar com moderação e acho até que eu consigo. Não fico no vermelho e tenho uma reserva!
Mas Ana, sem beijo na boca e namorado há mais de 8 meses, só me resta as compritchas e chocolate.

Adorei o post, sempre passo aqui, mas dessa vez resolvi comentar.

beijocas.

Beatriz Cordeiro disse...

É... custei para aprender isso...
Quem me dera ter lido esse texto antes de gastar muito dinheiro em coisas que me desfiz pouco tempo depois =/

Vero disse...

Ana, te vejo há tempos mas resolvi comentar agora, porque esse post mexeu comigo. Sou a compradora que prefere muitas blusinhas de 20,30 a uma bacanona de 100! O marido me ralha o tempo todo, mas acho que se só comprar aquela linda e boa, vou ficar com poucas opções e sem aquela roupinha confortável de ficar em casa. Descobri que no final das contas tenho muuuuuitas roupinhas de ficar em casa e pouquíssimas que visto e me sinto bem arrumada, ou mesmo uma despojada chic! "Mifundi", né!rsrs Ainda to aprendendo, e esperança é a última que morre... aiai

Ana Carolina disse...

Priska,
Experimente pegar todas essas roupas que nunca usou e montar looks com elas! Você vai se surpreender com as possibilidades!

Mariana, adorei o seu "companheiro de aventuras" hahaha!

Verônica, MUITO boa matéria, heim??

Carla: cuca fria, você vai sobreviver! hahaha! Curta suas comprinhas em culpa... :)

Vero, acho que é botar na balança quais roupas você usa mais, sabe? Não adianta também só comprar vestidos caros se você quase não vai a eventos. Mas é sempre bom ter uma ou outra peça interessante para aquela ocasião especial! ;)

beijos pra todas!

Dani F. Boyd disse...

Amei o seu post! A gente tem que ter cuidado, muito cuidado pra nao idolatrar coisas desnecessarias. Sempre passei por aperreios financeiros tbm e sabe, eu fico feliz so de olhar.

Parabens, viu? Eu venho aqui no seu blog qse todo dia.

E amei o vestidinho, ficou super bem em vc!

Beijos!!!

mag disse...

Amo muito seus looks! Mas essa bolsa...linda demais!

bjão!

itupgirl.blogspot.com

maria disse...

Oi Ana! Nem vou dizer que fiquei mega feliz com seu email né? Obrigada mesmo :) Já está respondido!
Nossa, amei esse post, eu confesso que sempre fui muito consumista, mas sabia que eu comecei a comprar menos quando entrei na 'blogolândia'? Pois é, desde que comecei o blog e vi realmente o que estava na moda, nas ruas, os 'must haves' do momento, que eu comecei a estipular metas tipo: 'quero uma camisa jeans' e aí eu não saio mais comprando tudo por aí, eu junto dindin e compro só a 'camisa jeans', entendeu?
Eu comecei a ver e APRENDER aqui quantas combinações diferentes se faz com as mesmas roupas e que não é necessário comprar mais e sim investir naquilo que vai valer MESMO a pena!
Beijinhos!

Tatiana disse...

Que legal o post! Tenho pensado muito sobre consumo. Depois que fiz meu brechó virtual passei a comprar menos, percebi que muuuuita coisa eu acabo não usando e pus pra vender. Dei uma limpa no armário, repito mais roupas (uma vez vi a Constanza Pascolato dizendo que roupa boa é pra se usar muito e repetir, não é nenhuma vergonha). Acabo comprando acessórios (cintos, principalmente, que eu amo) mais baratinhos, que fazem toda a diferença no look. Acho que a questão não é só ter condição de comprar ou não, mas a necessidade disso. Já se disse que existe muita roupa no mundo, não precisa se fabricar mais (utopia, claro). Acho que o certo é pensar como você: investir. Investimento é algo planejado, que não se joga fora ou se enjoa de uma hora pra outra. Acho que esse é o caminho. Bjos, parabéns!

Mandy disse...

amei o post. eu tenho cartões de loja desde que comecei a trabalhar (16 anos) e nunca fiquei um mês sem pagar uma fatura. fica difícil mesmo, porque daí vc vai e compra mais e mais e mais e chega no fim do mês sobra umas migalhas pra UM cineminha. hAHAuhuahahuHAUAHU
mas o que me aperta mesmo são as bijus. biju baratinha, as tais jóias e semi jóias. eu nem sei mais quantos pares de brinco eu tenho...



o post tá fantástico!

=*

Botocuda disse...

A roupa tá fofa!
E o tema é muito pertinente.
Somos a geração do ter, ter e ter.
Amo roupa e sapato, mas não estou podendo gastar. O jeito é rebolar com o que se tem.
A gente tem de preocupar com o ser.
Por exemplo, ao invés de vender em bazar eu dôo roupas. E agora a cada sapato que compro tenho de doar outro.
Aí você percebe que realmente já tem algo igual e não está precisando.
E quando sinto que preciso de uma peça, que meu armário não tem nada daquilo, aí eu vou com calma e escolho. Afinal vivi até hoje sem isso, dá tempo de pesquisar pelo menos um semana.
É assim que ando ultimamente e de fato, não preciso de nenhuma peça...
De vez em quando só faço uma graça, agrado prá mim mesma.

Bjim e boa sorte prá nós na empreitada de nadar contra a maré do consumismo.

Cris Borges disse...

Eu amo esse tema, já falei disso no meu blog também e acho que você já até falou algumas coisas sobre isso antes.
Eu tenho minhas experiências a esse respeito, já comprei um monte de coisas porque estava baratinho e acabei nunca usando. Já extrapolei e me arrependi, etc. Esse ano eu tinha decidido fazer uma greve de compras, mas não consegui. Mas comprei beeem menos e com um planejamento melhor e aprendi a me contentar com o que já tenho e pensar um pouco mais. Como você mesma disse, já tenho 30 vestidos, pra quê mais um?
Foi uma mudança de foco, de pensar que eu poderia viajar mais com o dinheiro que gastava em roupas, fazer outras coisas, pensar no futuro e foi bom. Mas acho que é uma coisa que tem que vir de dentro. A gente pode ouvir conselhos, dicas, ler sobre o assunto, mas se isso não vier de dentro, não adianta. Eu tive um clic!
Não que eu gastasse até meu último centavo comprando, mas às vezes exagerava e isso às vezes me deixava numa situação ruim, tanto financeira, como emocional.
O exagero reflete algum tipo de carência que temos. É necessário parar e fazer uma auto análise também. Por que faço isso? O que me falta? Às vezes, a pessoa não quer olhar pra si, para seus motivos reais e simplesmente diz que gosta de comprar. Gostar, todo mundo gosta, mas quando isso passa de certos limites, é porque tem mais coisas escondida.

Sá andrade disse...

Ana querida, comecei meu ressencionismo fashion vendo vc postando sobre o seu. Primeiro passo foi arrumar meu armário. Tirei um sábado inteiro e coloquei cada peça em um cabide...meu deus!!! Descobri q tinha mais roupas q imaginava...qdo vc coloca mais de uma peça em 1 cabide vc nao visualiza td q tem. Depois parei de ir ao shopping(isso sim é triste p nós q moramos em bh, pq nao temos mt diversão, nem uma prainha rs)mas tô conseguindo...E terceiro, voltei a estudar. Um curso qualquer ajuda, seja de oratória, seja de costura, de ingles...preenche o tempo e te cansa...qdo vc tem tempo, só quer aproveitar seus amigos ou dormir rs...Bom Ana, quero dizer q adoro seu blog, e acho q tô conseguindo ser menos consumista...graças primeiro a vc q me incentivou com seu exemplo. Bjs e Brigada.

Jane design disse...

oi Ana, essa matéria está muito bacana! Eu me identifiquei, pq também ja passei por aperto financeiro e foi bem complicado...
Aconteceu comigo uma situação semelhante, encontrei uma loja de roupas aqui no centro(recife) com milhares de achados, mas me contive em levar apenas a metade e nao me sentir frustrada com isso...levei apenas o q seria "novidade" no meu guarda-roupas...Também costumo deixar o cartão em casa, mas hj em dia nao sou mais compulsiva, compro bem consciente...compro tb o q cabe no bolso!
é isso aí...
beijinhosss

obs: adorei o look, vestidinho+cinto!!!

Loo disse...

Eu passei MUITO tempo sem comprar nada depois de ter gastado muito mais do que devia.

Lembro de uma vez que por conta das horas extras até tarde, o padrão dava em espécie o dinheiro para voltar pra casa de taxi. Logico que eu voltava de ônibus.
Esse dinheiro, que era bastante e foi por pelo menos tres semanas, evaporou. Na época, dava para pelo menos fazer uma viagem pra Bahia.

Aí baseada na coisa do de grao em grao a galinha enche o papo, parei de gastar com coisinhas. Roupa eu só compro se precisar ou se o preço estiver indecente de barato, prefiro poupar para comprar fora, um "luxo" que surgiu depois que comecei a economizar

é o caminho ...

jacquelinejan disse...

Oi Ana,

Que linda vc é, não só por fora, mas tbm por dentro...rs... Moro em Brasília e vejo o seu blog quase todos os dias, fico com uma vontade de ir a brechós e fazer compras certas iguais a vcs, mas as vezes impulsivamente acabo errando! affff, visito muitos outros blogs de moda, e há uma ilusão de que comprar, comprar, comprar, satisfaz a alma... não é assim, coisas materiais não suprem coisas, espirituais, sentimentais e experiências, como uma viajem! Você é rara, e uma das raras blogueiras transparentes, que não tenta passar imagem de "bam-bam-bam", como outras que imagino, tentam passar esta imagem mesmo com cartão de crédito estourado... Parabéns para a leitora que escreveu este email, pensou certo!
Bjks

Nayla disse...

Ei Ana, acompanho seu blog há algum tempo, mas hoje é a primeira vez que comento nele.

Realmente o consumismo é algo que destrói nossas contas bancárias e os nossos sonhos.

Nunca fui muito consumista, mas diminui bastante minhas compras quando dei entrada no meu apartamentozinho, ou seja, todo o dinheiro é investido nele, rsrs. Mas não é necessário comprar um imóvel para economizar, basta planejamento: definir metas (viagens, compras de carros, imovéis etc), não ficar passeando à toa em shopping todos os finais de semana e acho que o mais importante, se dedicar um pouquinho à caridade, pq assim vc verá que aquela blusinha que vc comprou e ficou guardada pode alimentar uma família por um mês...

Bjos
Nayla

disse...

Adorei seu post, veio bem a calhar tanto para mim quanto para outras blogueiras e meninas que lêem nossos posts. Eu também faço mais investimentos do que compras simples, quando compro prefiro escolher alguma peça que sei que vou usar, e quantas vezes vou usar, para ver se compensa a relação custo-benefício!!! Mesmo se for uma peça baratinha, tem que valer a pena! O ano passado e no começo deste ano passei um aperto violento, mas já me recuperei e a última coisa que quero é cair de novo num emaranhado de dívidas de cheque especial. Estou evitando usar cartão para comprar roupas, compro mais no débito,se tiver dinheiro, senão não compro. Suas dicas para não cair em tentação são ótimas, vou anotar na minha agenda! Bjs,

http://estilodiario.blogspot.com

Nira disse...

A estampa do vestido tá um luxo. Adorei!

ni disse...

Olha, acho que quando a pessoa QUER parar de comprar tanto e não consegue é caso de vício, de tratamento com psicólogo mesmo. E outra, se alguém quer superar o vício de álcool, ele vai passear num bar? Não, né? Então, a primeira coisa é evitar ir ao shopping... simples assim.

Fau disse...

Ana,

Antes de mais nada, essa roupa está uma graça. Adorei. Só que eu queria falar mesmo é do assunto do post. Concordo plenamente com você.

Já leio o seu blog há algum tempo e, além das suas produções e dicas, eu gosto muito das reflexões que você faz. Lembro bem da época do recessionismo fashion, que além da motivação decorrente do período econômico, havia um projeto pessoal de uma grande viagem que vc fez. Adorei que vc conseguiu, sem radicalismos, atingir ambos objetivos, diminuir o volume de compras e fazer a planejada viagem.

Desde então vejo que eventualmente você volta a se questionar sobre algumas questões correlatas, a exemplo de um post há algum tempo sobre o que era ser off para vc, no qual você falava de como passou a encarar esse conceito de outra forma (associando mais compra a essa ideia de investimento e não comprar qq coisa porque está barato).

E o hoje eu achei muito legal que nesse post de hoje você conseguiu sintetizar várias reflexões que vc já fez em outro momentos, a evolução de suas ideias e conclusões.

Acho que todas nós temos que voltar para nós mesmas e repetir algumas questões sobre consumo e nossos objetivos. Às vezes substituímos nossas angústias por compras, como se aqueles vestidos e maquiagens fossem preencher um vazio, ou achamos que seremos felizes se comprarmos aquela roupa da vitrine, como se pudéssemos trazer todo o glamour das revistas para as nossas vidas. Só que não é bem assim. A felicidade da compra é muito efêmera. Logo vem a culpa, a preocupação em como pagar todas aquelas dívidas. Isso sim é mais real. Assim, acho que devemos aprender a consumir, com moderação, para atender as nossas necessidades e até nos presentear, mas com bastante consciência, sabendo fazer escolhas. Afinal, é como a primeira lição de um curso de economia: há infinitas possibilidades, mas os recursos são limitados, por isso devem ser feitas escolhas. Por mais que a pessoa ganhe muito bem, os recursos não são ilimitados.

Só que, às vezes, ter consciência nas compras tbm decorre de buscar entender a origem das compulsões, seja uma insegurança ou uma outra angústia. Era esse ponto que eu queria ressaltar.

Assim, para quem está tentanto mudar os hábitos, acho que além da reflexão quanto as compras em si, acho que se deve refletir sobre a própria pessoa. Entender o porquê ajuda.

No mais, há técnicas tbm para quem já se endividou e quer resolver os problemas e para fazer-se um planejamento e controle de gastos. Na revista gloss do mês passado mesmo há uma reportagem nesse sentido. Outra revista do mês passado (acho que foi a Nova, mas não tenho certeza), traz tbm uma reportagem sobre alguns hábitos que a gente pode mudar para conseguir atingir algumas metas (tipo cortar uns cafezinhos durante a semana para conseguir comprar uma bolsa).

Nessa última reportagem, eu achei bem legal que as propostas não eram radicais, mas bem razoáveis. Eu, por exemplo, não conseguiria, nem iria querer eliminar plenamente um café da minha vida (até porque ir aos sábados a um café é um dos programas que mais adoro. Eu ficaria infeliz. Porém, passar uns 3 meses, tomando café duas vezes por semana, ao invés de cinco vezes para conseguir um objetivo é bem possível, sem, com isso, me tornar uma pessoa infeliz e que me privo de pequenos prazeres. No mundo dos sonhos, poder-se-ia ter as duas coisas, café todo dia e a bolsa, mas como na vida real há limitações orçamentárias, nem sempre se pode ter tudo. Talvez, na minha opinião, além daquela questão de autoconhecimento e avaliação das compras, uma falha que muitas pessoas cometem é o radicalismo de querer cortar tudo de vez e, ante ao insucesso, a pessoa volta com tudo. Acho que tudo é gradual. Uma conquista de cada dia. E se, no processo, a pessoa fez uma besteira, não deve se martirizar plenamente por isso para depois chutar o balde.

Hum... pensei em dizer outras coisas, mas já está longo demais esse comentário e, desse jeito, ninguém lê ahahahahha. Fica então para próxima.

Beijos,

Flavinha

Ana Carolina disse...

Flavinha,

Lindo o seu comentário. Acho tão, mas tão bacana quando uma leitora que já me acompanha há bastante tempo interage e faz essa análise maravilhosa que você fez...graças a pessoas como vc que esse blog continua e que eu me sinto motivada a levá-lo adiante! ;)

Pode escrever sempre que quiser e se for o caso me mandar um email

Um beijo grande.

♫Pri disse...

Amei o post!
é disso que precisamos de orientação!! rsrsrs!1
Nunca fui consumista, mas essa semana fiz algo que me tirou do sério: comprei quase 200 reais em maquiagem!!! Aff!!!
Nunca me arrependi pelo que comprei, mas dessa vez acho q passei dos limites. E o pior é que eu não precisava de tudo o que comprei! afff denovo!!!
Mas é assim e só assim a gente aprende não é mesmo?

Nel disse...

Super válido o post!
Adorei as dicas q vc deu, Ana.
Realmente, se a gnt não trçar metas e estratégias, acabamos caindo em tentação.

Ah... adorei o look com oxford.
:)
Beeeeijos

Dianamrs disse...

Oi ANA,

Eu tenho uma técnica que me ajuda muito também. Eu dificilmente compro uma coisa que eu vejo na hora. Principalmente as mais caras. Se depois de ir pra casa, pensar na peça por alguns dias, se ela não sair da minha cabeça, se realmente for algo que - descartando o impulso ou empolgação inicial - eu ainda queira comprar, aí eu volto e arremato. Às vezes alguma amiga até pergunta: e se não tiver mais? Bem, se não tiver, "não era pra ser", rs... Afinal, as promoções, as peças imperdíveis e baphônicas sempre voltam. Se não as mesmas, outras. E não vai ser por causa de uma roupa em especial que a gente vai morrer, né?
Bjsss e parabéns pelo post!

Carol Carpintéro disse...

eeeeee! o vestido gêmeo do meu !

As dicas são ótimas! Também é bom lembrar que em alguns bancos vc mesma pode estabelecer o limite mensal do seu cartão de crédito, assim no final do mês o susto com a fatura não é tão grande

kelly livia disse...

Nossa amei o post...já acompanho seu blog há algum tempo, mas desde o seu post do "Recessionismo Fashion" que me dei conta que precisava parar de comprar e aderi ao recessionismo....É difícil mas tenho metas de vida a ser cummprida e infelizmente como vc disse, os dois juntos não dáaaa...
Rsrs
Beijos!!

kelly livia disse...

Nossa amei o post...já acompanho seu blog há algum tempo, mas desde o seu post do "Recessionismo Fashion" que me dei conta que precisava parar de comprar e aderi ao recessionismo....É difícil mas tenho metas de vida a ser cummprida e infelizmente como vc disse, os dois juntos não dáaaa...
Rsrs
Beijos!!

Michelle disse...

Oi, Ana!
Adorei o post, parabéns pelo destaque a esse assunto tão delicado. Tenho certeza de que as dicas podem ajudar muitas colegas. Eu mesma já cometi umas loucurinhas de puro consumismo barato das quais me arrependo (por exemplo, comprar 2 calças jeans caras, de número menor que o meu, simplesmente por que elas eram lindas, e usá-las apenas uma vez). Nada muito exagerado é saudável, né?
Bjs, :)

JU disse...

Ana adoro seu blog, e achei esse post o máximo. Eu só não sou tão consumista pq não tenho tanto dinheiro. Mas eu fico louca qd entro na loja vejo uma roupa linda, qd to sem grana paciência, mas qd to c o cartão de crédito livre ninguém me segura rsrs. O q acontece mt cmigo as vezes eh eu comprar e dpois não usar, chegar em casa e me arrepender do que comprei ou não achar nada que combine, isso é o mais frustante, jogar dinheiro fora. Eu comprei uma saia na c&a linda, tem uns 2 meses e ainda não consegui usar por não achar nada no meu guarda-roupa que combine. Isso é o mais triste =(

Kaká disse...

Quem disse que se conselho fosse bom não era de graça heim... Entrei no seu blog hj pela primeira vez e me deparei com este relato de uma consumista grau 9,9 (igual eu). Infelizmente é muito difícil admitir, mas consumismo em excesso é sim uma doença... vivo como os AA's: só por hoje não vou comprar... Tem dado certo, mas no período de TPM é difícil! A minha sorte (sei lá se é sorte) é que eu me satisfaço com qualquer coisinha boba, e moro numa cidade pequena, que não tem grandes shoppings... mas tive que picar meu cartao de crédito em 1800 pedaços... Mas hoje não comprei!
Ameeeeeeeeeeeei o blog, ja virei seguidora!

Beijos com amor! Kaká
http://fiquelindagastandopouco.blogspot.com

Aline disse...

Oi, Carol !
Sempre fui ligada em moda. Minha mãe era daquelas que davam nó em pingo d'água só pra deixar a filha que nem um manequim da vitrine do Bicho Comeu (ui!). Rs... Mammy sempre me deu mais do que podia. O normal lá em casa era priorizar a aparência, sabe. Coisa bem comum em famílias classe média-baixa do subúrbio do Rio.
Cresci vendo meus pais cheio de dívidas e aos poucos me vi na mesma situação. Chegou um momento que dei um basta! De que valia um armário lotado e a carteira vazia? Não faz sentido algum ter todos os vestidos e sapatos do mundo e não ter grana para ir ali na esquina!
Em meio ao caos na minha conta corrente, tive oportunidade de viajar bastante(estudos e trabalho) e comecei a mudar de postura diante do consumo banalizado. No doutorado morei numa vila internacional nos EUA e tive a oportudidade de conviver com mulheres de 32 países diferentes. Constatação imediata: não há mulher mais vaidosa e consumista que a brasileira!!! Chega a ser patológica a nossa preocupação com a aparência! Conviver com tanta cultura diferente foi um baita aprendizado e na volta adotei novos hábitos:
1. Passei a organizar um bazar com todas aquelas roupas que não uso ou não gosto e nem sei pq comprei. Foi um mega sucesso e virou programação obrigatória no calendário das amigas, que reclamam que da 1ª edição (2007) a quantidade de peças só vem diminuindo. Rs...
2. Como vc, não passeio mais em shopping. Sempre preferi fazer compras em lojas de rua, mas hoje em dia só vou ao shopping para ir ao cinema ou levar os sobrinhos para patinar (jogar e afins). O único shopping que ainda vou é Outlet (o Nova América), que é perto do meu trabalho e lá resolvo várias coisas na hora do almoço (salão, banco, dentista...).
3. Passei a anotar na ponta do lápis os itens desejáveis da temporada e só os compro se e somente se após 1 mês o desejo for o mesmo. Com a internet, o acesso a informação é super rápido e o objeto de desejo do café da manhã vira item de fundo da gaveta no início da noite. Fruto da era da efemeridade que vivemos.
4. O tal objeto desejado há mais de 30 dias só é adquirido se eu fizer por merecê-lo. Estabeleço metas bobas como perder 1 kg/semana, entregar o relatório com X dias de antecedência, ler Y papers/semana e por aí vai.
Bom, esse palavrório todo pra dizer que apesar de continuar adorando moda, beleza, desing, fotografia, decoração e arte em si, hoje acredito que "Imagem não é nada. Conteúdo é tudo". E que como você disse nesse post, o verbo “investir” deve ser bem mais conjugado que o “consumir”.
Parabéns pelo excelente trabalho que faz com o blog!
Bjs
Aline Volotão

Polliana disse...

Perfeito, falou tudo! Graças a Deus eu aprendi isso bem cedo (com 16 anos entrei no limite de uma conta vinculada à do meu pai e sobrou pra ele cobrir). Depois disso, NUNCA mais aconteceu. Só gasto aquilo que posso pagar. Às vezes acho que até exagero um pouco, sendo até meio mão de vaca, mas nisso estou aprendendo tb. E há pouco tempo passei a pensar como vc, em investir ao invés de gastar, pq. tb. acho que tenho muita peça barata e com pouca qualidade e poucas peças que vão durar a vida inteira, sabe..
Mas, vivendo e aprendendo.. essa é a graça da coisa, né!

Joana Maranhão disse...

Nossa, muito bom esse seu post. Tinha entrado aqui p ver outras coisas e me deparo com um post desse, achei INCRIVEL! Parabens!
http://www.guideparlabeaute.blogspot.com/

Caio Cesar disse...

Nossa, como me identifiquei por aqui.
Como a suspeitar que tava passando dos limites quando tirei a fatura do meu cartão do débito automático.
Mas foi bom, pq aí tive que me controlar mais, não foi a cura foi o tratamento.

Acessem:

www.modapormenos.blogspot.com

SILVIA HELENA disse...

eu continuo pensando o consumo no meu blog de ocasiao....( o constante é o outro silviahelenas´sblog)
no Eu não comprei hoje http://euncompreihj.wordpress.com discuto as questões relacionadas a comprar,não comprar e como comprar ...será umprazer receber sua visita e opinião Ana. Vc chegou a comentar comigo a idéia no facebook.
Bjs

Celinha disse...

Gente ! Esse post caiu como uma luva para mim...
Excelente reflexao...

Estou tentando muito parar de gastar, e dificil, mais vou tentar, as oportunidades de parcelamento sao muitas, a facilidade esta demais, e por isso acabamos nos endividando....

OBRIGADO MUITO OBRIGADO !!!